Três mulheres estavam conversando ao lado de um poço. Um velho as escutava…

A primeira mulher dizia: ___ Meu filho é muito forte, corre e pula.

A segunda dizia: ___ O meu filho canta como os passarinhos.

A terceira mulher nada dizia, então o velho perguntou: ___ Você não tem filhos?

Ela respondeu: ___ Tenho, mas ele é um menino normal como todas as crianças.

As três mulheres pegaram seus potes cheios de água e foram caminhando. No meio do caminho, elas pararam para descansar e o velho homem sentou ao lado delas.

Logo elas viram seus filhos voltando para perto delas.

O primeiro vinha correndo e pulando, o segundo vinha cantando lindas canções.

O terceiro não vinha pulando nem cantando, ele correu em direção da sua mãe e pegou o pote cheio de água e levou para casa.

Então as mulheres perguntaram para o velho homem: ___O que o senhor achou dos nossos filhos?

E o velho homem respondeu: ___ Realmente, eu acabei de ver três meninos, mas vi apenas um filho.

Desta fábula podemos tirar dois ensinamentos: O primeiro da sabedoria do homem e o segundo da maneira como cada um dos filhos se comportou.

O quanto podemos aprender com os idosos

Em 24 de janeiro estaremos comemorando o Dia do Aposentado. Não só a data deve ser lembrada, mas principalmente as contribuições e a sabedoria dos aposentados e dos idosos. Contribuição que eles deram ao longo da vida.

Tudo o que temos e somos hoje, seja como pessoas ou como empresas, devemos à dedicação daqueles que estão há mais tempo trabalhando e educando, daqueles que já deixaram de trabalhar mas continuam educando seus filhos, netos, bisnetos e tantas outras pessoas que têm a felicidade de conviverem com eles.

Sem nos esquecer dos queridos que já não estão entre nós, mas que construíram famílias, propriedades, negócios e nos deixaram muitos exemplos de vida e de trabalho.

Isso é muito claro no varejo farmacêutico. Por exemplo quantas farmácias ainda são conhecidas pelo nome de seu fundador, mesmo após as décadas que já se passaram?

Hoje eles já aposentaram e as farmácias estão nas mãos dos filhos ou netos mas na vizinhança ainda continuam sendo conhecidas por “Farmácia do senhor João…do senhor Pedro….”. E quantos não se lembram desses senhores e senhoras? Da atenção, do cuidado e da sabedoria de todos eles.

Mesmo muitos dos que se aposentaram continuam indo à farmácia para, com seus conhecimentos, orientarem os novos, e ter uma palavra de carinho para seus clientes.

E também temos o lado do aposentado como cliente regular da farmácia, responsável por uma parcela importante do faturamento. Aquele senhor ou aquela senhora que quase toda semana passa na farmácia para comprar mas também para conversar e preencher seu tempo.

Comportamento dos filhos

Os dois primeiros vieram pulando e cantando, algo muito natural em crianças. Não agiram errado, apenas não se preocuparam em ajudar suas mães como fez o terceiro. Este correu para pegar o pote de água e leva-lo para casa, livrando a mãe de carregar o peso.

Aqui está uma questão importante que a fábula nos traz: como temos agido com os aposentados e com as pessoas de mais idade?

Dificilmente alguém deixa de dar atenção para eles apenas por maldade. Acontece que a vida corrida que levamos faz com que esquecemos das atenções mais simples que eles necessitam.

Portanto este 24 de janeiro é um bom momento para pensarmos sobre o que poderíamos fazer a mais pelos aposentados. Este pensamento vale tanto para os familiares, como para todos cidadãos e também para o varejo farmacêutico.

Será que damos a atenção necessária ou nos comportamos como os dois primeiros meninos que, pulando e cantando, se esqueceram de auxiliar suas mães?

E nossas farmácias estão preparadas para atender esse consumidor tão importante?

Para avaliar isto, proponho que você responda ao questionário abaixo. Ele se baseia em necessidades específicas de aposentados e idosos. Alguns deles até já comentamos em outras edições desta revista.

Faça um “x” na coluna corresponde à sua resposta para cada uma das questões.

Sim Quase sempre Raramente Não
1.    O atendimento é atencioso e paciente?
2.    A estrutura da farmácia é de fácil acessibilidade?
3.    A sinalização é clara e visível?
4.    Os produtos estão expostos em lugares visíveis e de fácil acesso?
5.    O atendimento preferencial é respeitado?
6.    Tem os medicamentos mais procurados por este público?
7.    Tem produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, para eles?
8.    Existem facilidades (preços e condições de pagamento) para que eles possam comprar os medicamentos regularmente?
9.    Tem Atenção Farmacêutica disponível e atuante?
10. Promove alguma atividade estra como palestras e campanhas educacionais?
11. Organiza atividades como caminhadas, passeios, cursos, etc.?
12. Enxerga os idosos e aposentados como portadores de experiência que deve ser aproveitada?
Soma

Comentários

Soma de “x” das colunas “Raramente” e “Não” maior que das colunas “Sim” e “Quase Sempre”.

Muito bom que você tenha respondido fazendo uma análise fria e sincera.

Avalie os pontos que são possíveis de melhoria para oferecer um melhor atendimento aos aposentados. Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível e logo sua farmácia estará encantando seus clientes.

Essa é a melhor maneira para conquistar e manter esses clientes tão importantes para a farmácia.

Soma de “x” das colunas “Sim” e “Quase Sempre” maior que das colunas “Raramente” e “Não”.

Parabéns, sua farmácia está preparada para atender aposentados e idosos com excelência. Continue atento a esse público para oferecer diferenciais que farão com que eles se tornem fiéis a sua farmácia.

Vamos aproveitar o início deste novo ano para sermos as mudanças que todos desejamos.

 

Feliz 2016!

Américo José da Silva Filho
Cherto Atco Educação Corporativa
E-mail: americo.jose@cherto.com.br